8 de novembro de 2010

Vídeo: Alcorão

Estou vindo aqui novamente pôr um vídeo que pelo nome achei desrespeitoso com o islam, mas depois que vi  não o achei mais, pois trata com imparcialidade, ao meu ver.
Vou postar e comentar umas partes que mais me interessou.
E vi que o nome real do vídeo é The Koran, não o nome depreciativo que deram no YouTube.

Vou comentar algumas partes do vídeo e raciocinar com vocês amigos. Espero que gostem e que com a ajuda de Jeová eu não venha a ser desrespeitoso.


                                  

Aos 3:13min deste video fala o que sabemos que Mohamed era iletrado, pois bem, alguns muçulmanos dizem que por o evangelho [ injil, em árabe] não ter tido a supervisão de Jesus, não podem ter certeza que está de acordo com a verdade.

Para quem acredita que o Deus verdadeiro pode tudo, não deveríamos lhe por limites, mas vamos raciocinar: se isso fosse empecilho nenhum dos dois [A Bíblia e O Alcorão] haveria de ter credibilidade, pois uma pessoa que não sabe ler nem escrever não pode revisar nada, só pode acreditar no que seus amigos dizem estar escrito. Digo isto por experiência própria, pois minha mãe não sabe ler nem escrever.

A partir de 6:34 mostra diferenças dentro do islam quanto ao estatuto da Mulher, das atitudes quanto a paz e a violência, ao castigo e ao perdão, os quais não entrarei em detalhes aqui, pois iria ser extenso, mas posso dizer que é quase igual as várias deturpações dentro Cristianismo, vejam o vídeo e terão mais detalhes.




Este mostra muito sobre o uso do véu islâmico [hijab], o que não compreendo o porque algumas mulheres não gostam de usá-lo, pois é mais uma vestimenta. Alguns são bonitos e nada tira a beleza da mulher. Não sou muçulmano, mas acho bonito e minha mulher também, pois em certas ocasiões, ela tem que cobrir a cabeça e não se importa, até gosta. Só falei do hijab, não da burka e o shador, pois estes últimos não gostamos e achamos exageros, mas é só um comentário de gostos.


Nesta parte do vídeo mostra várias tradições que são mantidas e que não tem embasamento no Alcorão. Venho para mostrar o quanto é difícil para nós cristãos verdadeiros quando vem nos criticando sobre tradições contrárias à Bíblia, que a maioria das igrejas que professam ser Cristãs fazem em deturpação da palavra de Deus a Bíblia.



Aqui a partir do 1:49 vemos o Sheikh Abdul Aziz Bukhari falando que crê na tora e no evangelho.
A partir de 2:28 mostra duas interpretações sobre a relação dos muçulmanos com relação aos cristãos e judeus.



Aqui mostra muito sobre a violência feita contra os muçulmanos e a retaliação desta violência.
Reflitam no que vou dizer: assim como nós Cristãos verdadeiros, servos de Jeová, os muçulmanos acreditam no juízo final, ou seja, no tempo em que o Deus verdadeiro vai trazer um mundo perfeito e esperam por isso. Então porque retaliar e usar de violência, para assim, se tornar iguais aos servos de Satanás? Porque não confiar em Deus como rochedo protetor e livrador deste mundo por meio do armagedom [ou dia do juízo para os muçulmanos] que está próximo.

[Isso eu falo  para aqueles que acham certo retaliar violência com violência, assim acabam matando seus irmãos junto.]




Uma coisa que achei interessante a partir dos 3:1 desta parte, é que no islam assim como no Cristianismo, a aqueles que fazem de sua religião uma profissão, pondo assim uma classe clerical o que é contrário, como disse o vídeo, ao Alcorão.

[Os cristãos verdadeiros não se sustentam financeiramente  de sua religião e sim tem trabalho secular para se sustentar, ao contrário da maioria de falsos cristãos que fazem de sua religião um trabalho com ganhos financeiros.]

Aqui a partir de 9:17min faz uma pergunta que achei interessante, se o Alcorão é tão claro assim[que neste vídeo já falou que é em uma linguagem tão clara que a pessoa mesmo pode entender sem nenhum auxilio], a cerca dos princípios de justiça, como que as diferenças tão grandes são possíveis?

Por isso pensem bem antes de criticar as Escrituras Sagradas(a Bíblia) por causa dos falsos cristãos que usam de versículos isolados para justificar seu mau proceder.

Os muçulmanos dizem que o Alcorão, por ter permanecido na língua original, é exato, mas neste filme, aos 9:40 min, diz que ele é escrito numa forma de árabe clássico, muitas vezes difícil de se entender até pelos falantes de árabe mais letrados [e isto ouvi também de um conhecido meu muçulmano Sheiki de uma mesquita em Porto Alegre, pois eu estudo árabe e queria um Alcorão que tivesse a parte em árabe e ele me disse que o árabe do Alcorão é diferente do árabe normal].

Outra coisa em que não há lógica, dizem que a Bíblia por ser uma tradução, não dá o real sentido do original [eu concordo, pois isso é lógico para todos que estudam línguas] e que por isso o Alcorão é mais confiável, pois é na língua original [o que não adianta muito pelo que vimos no vídeo e no que meu conhecido disse] Mas os muçulmanos dizem que não precisa aprender árabe para ser muçulmano pois tem as traduções do Alcorão [UÉ! traduções não são dignas de confiança ou são? Se são, então não usem mais isto contra a Bíblia]. A partir dos 9:59 diz que para a maior parte dos muçulmanos o árabe não é  sua primeira língua, em consequência o Iman ou pregador, torna-se o intermediário entre o Alcorão e a mensagem que os fiéis recebem [aqui escrevi conforme está no vídeo]. 


Aqui vem mostrando a partir dos 00:45min, o Dr Taj Hargey do Muslim Educational Center, Oxford, levanta a questão de que os hadits [acho que é assim que se escreve] foram compilados e corrigidos cerca de 250 a 300 anos depois da morte de Mohamed e disse que muitos deles foram fabricados e adulterados e que muitos tomam como na mesma importância que o Alcorão.

A partir dos 1:14min, vem mostrando como o Alcorão tem sido adulterado.
Também fala que, falar sobre distorções e alterações no Alcorão se torna difícil, principalmente por acadêmicos ocidentais e não muçulmanos, pois os muçulmanos, ao contrário dos cristãos e Judeus que acreditam que a Bíblia foi feita por homens inspirados por Deus, acreditam que o Alcorão é a palavra de Deus, conforme foi dita a Mohamed.

A partir dos 6:6min, mostra que o Alcorão escrito apresenta variações. A analise forense dos fragmentos de saana [acho que é assim que se escreve] revela existência de textos mais antigos que foram alterados.



A partir dos 4:34min, fala que para alguns acadêmicos muçulmanos, essas pesquisas esta no espírito corânico de liberdade e não uma ameaça para aqueles que tem uma fé firme. Vejam também o que fala o Dr Taj Hargey do Muslim Educational Center Oxford, sobre as pesquisas e questionamentos.



Espero ter sido respeitoso com meus comentários.

SALAM

Nenhum comentário: